AUTOMEMÓRIA

AUTOMEMÓRIA

Este sábado, ao mesmo tempo do meu ingresso no estacionamento de supermercado, à minha frente o Buick-Chevrolet 1941 (foto), fabricado nos Estados Unidos, e, eu lembrei da época de garoto em primeira fase da adolescência — sonhador de realizações então possíveis –, o periodo da iniciação da vivência na capital de Minas Gerais, na Rua Glocínia — divisória entre os bairros Santo André e Caiçara –, ladeava casa de família possuidora de automóvel idêntico ao que provoca a produção desta retórica, com o qual, diariamente, o pai de duas crianças as conduzia ao Colégio Lúcio dos Santos — bairro Carlos Prates –, que, algumas vezes, concedeu-me carona, embora,  hoje, raríssimas são aparições da espécie em movimento por ruas de Belo Horizonte.
João S. Souza