ÁGUA e VINHO – EIS a DIFERENÇA

ÁGUA e VINHO – EIS a DIFERENÇA

João S. Souza
Conviva-nacional dissera-me “seus textos são muito grandes”, e respondi: escrever é exercício d’ALMA mediante exposição física arriscada da ‘VISÃO’, que, no Brasil, tem pouca ou nenhuma significância, e, sem intuito de alongar esta explanação, faço menção à situação pela qual passei algumas vezes, perante o Consulado dos Estados Unidos da América no Rio de Janeiro – isto, por homenagem à arte da ESCRITA –, a primeira oportunidade, em 2.000, somente cumpri exigências burocráticas, sem referenciar atuação como escritor e sim a citação advogado, e recebi do órgão a negativa do pedido, as três vezes subsequentes, ali compareci e mencionei aos entrevistadores minha atuação por meio da palavra em Livro – cumpro ressaltar quando do meu retorno após a referida recusa , o fiz em atendimento ao telefonema dirigido ao meu modesto Escritório e feito pela Senhora Elizabet, secretária do Cônsul, ao responder meu ofício na qualidade de inconformado, o que resultou em atendimento à minha pessoa fora da “fila” e no saguão da entrada principal daquela Instituição, e, naquela oportunidade, solicitei, também, concessão do benefício à Erivalda (esta, VIVA, para, acaso necessário, à confirmação), minha companhia regular de então, como ocorrera com outra pessoa (Danielle) em igual condição, ida apos alguns anos,também obtivera, como eu, os desejados VISTOS, e não me esqueço o quando do meu primeiro desembarque no aeroporto de Miami, inicialmente sofri triagem antes de chegar à catraca de conferências de passaporte e visto de ingresso naquele país, onde me submeti ao último previsível “interrogatório”, no qual definiria aceitação ou rejeição da pretendia entrada, oportunidade recebi várias perguntas de cunho pessoal, com indicativo tendentemente à negação, momento que me surgiu ideia de mencionar àquele agente a minha atividade de escritor, o que causou impacto positivo no ‘inquisidor’, que, imediatamente, abriu o passaporte na página própria e selou (carimbou) autorização e, ao mesmo tempo disse-me com ar de  satisfação “congratulation” .