“D-O-E-N-Ç-A S-O-C-I-A-L”

“D-O-E-N-Ç-A S-O-C-I-A-L”

G R I T O S  e choros, provocados  pelo “coração”, levam a polícia à casa de dois idosos.

O casal Jole, de 84 anos, e Michele, de 94 chorava em pranto comovedor, vítimas de solidão.

Avisados por vizinhos, quatro policiais italianos bateram à porta de um apartamento em Roma, e dentro da casa, segundo o jornal La Repubblica, os agentes testemunharam cena surpreendente, que os deixou de boca aberta , quase partiu seus corações, ao se depararam com os idosos abandonados e  lágrimas  descontoladas.  

Os quatro agentes chegaram ao local porque alguns vizinhos denunciaram gritos e choro provenientes do domicílio, e, ao adentrarem no recinto, perceberam ali nenhum delito, sim choros de Jole e seu esposo Michele (pronuncia-se italiano os  nomes “Iôle” e “Mikéle”), ela com 84 anos, ele com 94, ambos vítimas de “incurável” solidão, abandonados, com lágrimas  descontoladas.  

Parte dos vizinhos dos idosos mudaram-se, além do esvaziamento da cidade  em razão das férias de verão europeu, dentre as várias razões aparentemente banais, acumuladas na alma a ponto de explosão. Os idosos abordados também choravam por desânimo e preocupação face às horríveis notícias que viam o tempo todo na televisão.
A situação impactante – comum mais do que se possa imaginar – provocou nos policiais a iniciativa, no mínimo surpreendente positivamente, um deles,  preparou, imediatamente, jantar, enquanto os outros três sentaram-se ao lado dos dois anciãos e lhes deram um dos presentes mais belos, inesquecíveis e “impalpáveis”,  pelo qual os idosos tanto esperavam de OUTREM,  conversaram durante hora com os desolados.

JSS