FAUSTÃO sem NOÇÃO

FAUSTÃO sem NOÇÃO

Antes da apresentação do “poético” funk “amarrar pra quê, prefiro ficar solteiro porque eu sei que elas vão querer”, citado PELÉ (Edson A. Nascimento) no “DOMINGÃO” (18/08/18) com exaltação por sua dita preocupação com preocupação e formação (instrução) da CRIANÇADA brasileira, que, segundo o apresentador-televisivo, o ex-jogador, quando da comemoração do seu ‘milésimo gol’ (há 40 anos) no Estádio Maracanã, em 1969, época dos 5 primeiros anos do “Regime Militar”, o rei-do-futebol proferiu o recado “cuidem das crianças”, contudo, não se falou do histórico (exemplo) familiar da famosa-pessoa, posterior à mencionada declaração relativo à sua própria filha (Sandra — desprezada, desde nascimento, pelo pai, faleceu em 21 outubro 2006) e, também, netos renegados, afetivamente, mesmo após comprovação científica e judicial da descendência (paternidade).

Existem palavras que eu preferiria não escrevê-las, entre as quais hipócrita, entretanto, é, exatamente, enquadramento adequado ao comportamental do protagonista mencionado  na “telinha” e motivo do registro deste meu posicionamento — descomprometido com afagos exagerado e desproporcional — franco.
João S. Souza