O-B-S-E-R-V-A-Ç-Ã-O

O-B-S-E-R-V-A-Ç-Ã-O

Mensagem, “cola” veiculada em aplicativo mundial, “colada” ao final deste nosso texto,  autoria desconhecida,  em vez de real “desejo” (presente – indicativo/afirmativo) produz repasse da retórica, com propósito de repúdio a personalidades, como Nelson Mandela, Martin Luther King e Mahatma Gandhi, utiliza-se, repetitivamente, tempo verbal “pretérito imperfeito do indicativo” (‘queria‘), ou seja, sequer, oa que parece, sabe o que deseja, além do óbvio (visível/notável) desconhecimento da história, e, tambem, há falta de compostura mínima ao se referir às pessoas, duas das quais assassinadas, covardemente, mediante atos brutais de governantes e impostores, vejamos o referido  da “rede”:

Queria agradecer aos vagabundos que, através de greves, conquistaram direitos como férias, horário de almoço, aposentadoria e 13º salário.

Queria agradecer aos vagabundos que impediram que as pessoas trabalhassem 16,17,18 horas por dia em condições decadentes e desumanas, conquistando o limite de jornada de trabalho e descanso aos finais de semana.
Queria agradecer aos vagabundos que conquistaram piso de remuneração, licença maternidade e proibição do trabalho infantil.
Queria mandar um abraço especial ao vagabundo Nelson Mandela, que tentou parar a África do Sul contra o apartheid.
Queria mandar um abraço ao grandíssimo vagabundo Mahatma Gandhi, que pediu para que os trabalhadores entrassem em greve pela independência da Índia.
Por último e não menos importante, queria mandar um abraço pro vagabunda Martin Luther King, que organizou greves e piquetes contra o racismo institucionalizado nos EUA, lutando pela igualdade dos direitos civis entre brancos e negros.
Enfim, gratidão aos vagabundos do mundo inteiro, por conquistarem através de greves e outras tantas formas de luta todos os direitos trabalhistas que temos hoje. Uni-vos!